page loader

5 Fatores que Podem Encarecer a sua EtiquetaGostaria de saber quais os fatores que encarecem sua etiqueta? Aqui nesse artigo, separamos os fatores que podem encarecer e quais as altenativas para melhorar este valor!

 
Ao pedir um orçamento de etiqueta, existe uma série de variáveis que pode tornar a sua etiqueta mais barata ou mais cara por unidade. Para ver como isso é possível, primeiro precisamos entender um pouco do processo de produção das etiquetas.
As etiquetas são produzidas sob encomenda (exceto nos itens muito padronizados, como etiquetas térmicas “em branco” para balança ou gôndolas).
Para produzí-las, recebemos os materiais autoadesivos em grandes rolos, que recebem impressões, cortes e acabamentos antes de serem enviados ao cliente. Por isso, há três fatores influenciando o custo da etiqueta: insumos, ferramental e horas de trabalho (mão de obra e hora-máquina). Com isso, para cada pedido de etiquetas, existe um custo fixo e um custo variável.

ITENS DE CUSTO FÍSICO

São itens necessários independente da quantidade de etiquetas, para cinco unidades ou dez mil.
• Clichês de impressão - são as matrizes de impressão, feitas em chapas de “borracha” ou polímeros com a imagem a ser impressa
• Setup de máquina - para cada nova impressão, é preciso posicionar os clichês, trocar a formulação da tinta, encaixar as cores, ajustar o corte, entre outros processos.
• Perdas de material no ajuste de máquina - as primeiras impressões são descartadas por falhas de cor ou alinhamento.
• Facas de corte - quando sua etiqueta tem a necessidade de um formato ou tamanho especial.

ITENS DE CUSTO VARIÁVEL

São itens que dependem diretamente da quantidade de etiquetas impressas.
• Quantidade de material, medido em m²
• Hora-máquina rodando (de impressão, corte e rebobinamento)
• Tubetes e embalagens
• Depreciação (ou desgaste) de faca
• Acabamentos especiais (hot stamping, cold stamping, laminação)
Com isso em mente, vamos analisar os cinco itens que atrapalham no custo-benefício da etiqueta.

1- VOLUME DE PEDIDOS

O preço unitário das etiquetas irá variar bastante conforme o volume, pois para quantidades pequenas os itens de custo fixo são mais caros do que os itens de custo variável. É por isso que costumamos dizer que, em muitos cenários, o preço de imprimir mil etiquetas pode sair o quase o mesmo do que imprimir uma só. Assim, em volumes maiores é possível diluir o custo fixo na quantidade, tornando o preço por etiqueta muito mais em conta. Também há menor perda de material em relação ao volume total.
Por isso, nossa recomendação para todos os clientes é não solicitar apenas um orçamento pequeno, para o próximo mês apenas, mas pensar adiante. Quantas etiquetas você precisa em um trimestre, um semestre, ou até em um ano? Se estocagem não for problema, os materiais autoadesivos resistem bem por dois anos sem perder suas propriedades.
DICA: Peça mais de um orçamento para suas etiquetas. Por exemplo, se sua empresa usa mil etiquetas por mês, você solicitar o orçamento para mil, três mil e dez mil etiquetas, para ganhar no volume. Fazendo múltiplos orçamentos até encontrar o melhor custo benefício entre volume e estoque.

2- QUANTIDADE DE CORES

Este item tem a ver com os mesmos custos fixos acima. Isso porque para cada cor da impressão é preciso um novo clichê. Da mesma forma, serão necessários novos ajustes de máquina e formulações de tintas. E maiores serão as perdas iniciais no ajuste de máquina.  Então, quanto mais cores, mais caro.
Às vezes o empresário nos solicita uma etiqueta com três ou quatro cores que não são realmente necessárias: as mesmas informações podem ser passadas com qualidade utilizando apenas duas cores. Utilizar menos cores é sempre uma boa pedida para economizar nos custos.

3- TAMANHO DA ETIQUETA E CORTES ESPECIAIS

O tamanho da etiqueta é um fator que pode influenciar muito nos custos por etiqueta. Primeiro porque pode ser necessário fabricar uma faca para etiquetas em formatos especiais ou quando o cliente precisa de um tamanho bastante específico. Nas etiquetas retangulares, temos facas de vários tamanhos, muitas vezes bastante próximos aos pedidos solicitados, sendo necessário poucos ajustes na arte. Estar aberto a estas pequenas alterações pode diminuir bastante o seu custo.
Outro fator que pode gerar muita economia é o aproveitamento total da largura do papel autoadesivo. Por exemplo, se você tem uma impressora térmica com largura de 4’’ (101,6 mm) e sua etiqueta tem 2,5’’ (aproximadamente 63 mm), você terá uma grande perda. Com uma etiqueta de 2’’ (50,8 mm) ou menos, você pode ter duas carreiras (ou colunas). Assim você aproveita também todo o ribbon disponível.
Utilizar duas ou três carreiras de etiquetas é uma das melhores formas de ganhar no volume, aproveitando melhor todos os insumos, mesmo que seja necessário rearranjar as informações na etiqueta.

4- FRAGMENTAÇÃO DO PEDIDO

Muitas vezes uma pequena empresa tem uma série de produtos diferentes e quer etiquetas ou rótulos específicos para cada um deles. Isso gera vários pequenos pedidos, em vez de um único pedido com volume maior. É mais prático e econômico criar uma única etiqueta padronizada com a marca e outras informações mais importantes para toda a linha. Assim, as informações específicas de cada produto são impressas com uma impressora térmica, garantindo a diferenciação necessária.
Além disso, a cada troca de rolo com etiquetas de tamanhos diferentes em sua impressora térmica, você terá que realizar uma nova calibração, que irá gerar uma perda de pelo menos 3 etiquetas por calibração, além do tempo necessário. Unificar as medidas e modelos também ajuda a reduzir esta perda.

5- MATERIAIS ESPECIAIS E ADEQUADOS A CADA PRODUTO

Há uma grande variedade de papeis especiais, adesivos permanentes e removíveis para cada aplicação. Muitos destes materiais pode ter um custo um pouco mais alto, mas sempre recomendamos utilizar a etiqueta correta. Por exemplo, se você precisa que a etiqueta resista à umidade e congelamento, não adianta baratear utilizando uma etiqueta de papel comum, que vai rasgar e se soltar do produto, gerando problemas no transporte e na venda. É o mesmo caso de etiquetas para pneus, cujas opções são específicas para esse substrato. Conhecemos até um caso de uma empresa que utilizava solvente para a remoção da etiqueta em vez de comprar um material de adesivo removível. A economia de um lado gerava gastos de outro.
Recomendação final: converse com o seu fornecedor de etiquetas
Um fornecedor qualificado poderá analisar a sua necessidade e apontar a solução mais econômica para as suas etiquetas, seja indicando como aproveitar melhor a área do material, apresentando sugestões para ganhar no volume ou indicando caminhos mais adequados!
Tem interesse em um orçamento? Entre em contato conosco clicando aqui! Teremos muito prazer em atendê-lo!